A Psicanálise na Saúde psíquica do Empreendedor 

por Eliana Viana | Psicanalista       

Descubra como a psicanálise pode ser uma grande aliada à saúde psíquica das pessoas que escolheram empreender em nosso país.

Por: Eliana Viana / Psicanalista       

Na História do empreendedorismo, temos pessoas que se tornaram referência quando, diante de crises, desafios, não se conformaram com a situação, transformando-a “em oportunidades”, por exemplo: na Itália temos Marco Polo, sec XIII e no Brasil Barão de Mauá, sec XIX.

     Num outro contexto, dando um salto para o século XXI, surgem novas crises, demandas, desafios, enfim, fatores que afetam às realidades do empreendedor: a interna e a externa.

     Independente do seguimento que o empreendedor vier a escolher, para que não seja afetado de forma negativa em seus empreendimentos e seja vencido pela realidade externa, pois além dos fatores acima mencionados, para que ele se atualize no tempo, em meio a  uma avalanche de informações produzidas pelas mídias, inclusive alimentadas pelo próprio sistema de mercado e consumo atual, é preciso cuidar de sua saúde psíquica.

O que leva em conta a psicanálise para quem é empreendedor

     A reflexão, neste caso, torna-se necessária para que o empreendedor se atente à sua realidade interna, onde são desenvolvidos os afetos, as sensações, percepções, sentimentos, etc, e, os princípios, valores que o capacitarão a fazer escolhas que trarão sentido à sua existência, pois irão sinalizar se estão sendo capazes de interagir de forma saudável nas relações: com o outro, com o ambiente e principalmente consigo mesmo.

     Inclusive no resultado concreto de uma negociação, antes de vir à tona (realidade externa), uma travessia de sentimentos ambíguos eclodem no emocional do empreendedor:  medo x coragem, tristeza x alegria, ódio x amor, etc., são experenciados de forma contínua, muitas vezes intensa, ou ambas simultaneamente no aparelho psíquico deste profissional , que o faz responder com ousadia ou cautela, persistência ou renúncia, que demonstra, de certo modo, pelo menos ainda uma conexão entre as realidades: a interna e a externa. Mas, quando há estímulos na psiquê não percebidos, buscar ajuda, se faz necessário.

A saúde psíquica do empreendedor durante e pós-pandemia

     Ainda mais neste momento em que nos quatro cantos do planeta, estejamos atravessando desde 2019 a pandemia do COVID, vale lembrar duas características da natureza humana: “a força e a fragilidade”.

     Promover uma conexão que alcance um bem-estar, uma saúde mental satisfatória ao indivíduo, não é só responsabilidade do Sistema de Saúde, Governo, Instituições Sociais, mas também de cada um. No caso do empreendedor, em cada um existe “a força e a fragilidade” e, a boa notícia é que está havendo um olhar direcionado à saúde dos empreendedores.

     Devido à pandemia, em meados de junho de 2020, conforme fonte DAAS-21, foram selecionados 653 empreendedores nos estados brasileiros, exceto em Rondônia, e colheram dados que chamaram a atenção quanto à saúde mental destes profissionais.

     Nas pesquisas foram apontadas a incidência dos sintomas de ansiedade, de depressão e do uso de ansiolíticos e antidepressivos nos empreendedores, que se equiparam aos profissionais de saúde.      Do total dos entrevistados (Homens e Mulheres), 24,9% dos empreendedores tiveram sua vida afetada; 15,0% faziam uso de ansiolíticos e antidepressivos; e quanto ao sintoma de ansiedade: as Mulheres atingiram 28,5% e os Homens apresentaram 22,5%; já a depressão as mulheres chegaram ao total de 10,4% e os homens 3,4% tiveram diagnóstico do sintoma.

     Entre os entrevistados 45,5% empreendedores afirmaram que aumentaram as incertezas no ambiente dos negócios; 47,9% apresentaram que possuem capacidade parcial para lidar no ambiente pandêmico; 72,9% sofreram um declínio no rendimento familiar após início das medidas de distanciamento social e, 29,2% dos participantes enfrentaram uma retração que chegaram a uma queda de 50% do rendimento nos negócios.

Deixar de empreender ou cuidar da mente empreendedora?

     Se por um lado a pesquisa apresentou os sintomas como um dado inquietante, nem por isso o empreendedorismo deixou de ser um seguimento promissor, ainda mais que o mundo no momento atual está passando da fase de pandemia para uma endemia do COVID.

     O empreendedorismo ainda é uma atividade econômica que está em constante expansão, assim como a vida.

     No Brasil por exemplo, segundo pesquisa realizada pelo Sebrae, IBPQ e GEM, houve um crescimento de 75% da taxa de empreendedorismo potencial entre 2019 e 2020.

     Enfim, a possibilidade de desenvolver a capacidade de organização na vida mental do indivíduo, fortalecendo-o interiormente, fazendo fluir sua criatividade, habilidade, resiliência, etc., inclusive diante de situações perturbadoras na vida, é o trabalho que ocorre no processo psicanalítico.

     Polo e Mauá viveram em outra época e procuraram resolver da forma que conseguiram, mas como houve o advento da roda na humanidade, a qual facilitou o meio de transporte de carga, também diante da análise do inconsciente, as crises, as situações que trazem um peso e angústia poderão tornar-se uma alavanca propulsora na vida do empreendedor.

     Temas que abarcam a saúde psíquica do empreendedor e outras questões relacionadas ao mundo dos negócios são frequentes nas atividades em grupo gratuitas realizadas pelo IBCP. Fique atento à Agenda em nosso site e venha participar!


 

O QUE ACHOU DA POSTAGEM?

    últimas postagens

    A Publicidade no Divã

    por Nadia Lappas | Psicanalista       
    Aprendemos a comprar desde criança. Mas o que exatamente você compra na gôndola? O que você coloca no carrinho de compras do seu aplicativo preferido? Sabemos que hoje algoritmos medeiam nossas relações nas redes sociais, como também nossos caminhos de consumo na rede. Campo fértil para a publicidade que oferta magicamente tudo o que queremos. […]
    Leia mais+

    A Mitologia na construção da Psicanálise

    por Nadia Lappas | Psicanalista       
    Os seres humanos sempre foram criadores de mitos. A necessidade de contar histórias é tão antiga que muitos autores consideram que ela deve ter nascido com o próprio homem, pois somos criaturas em busca de sentido. Existe algo de poderoso nos mitos que transcende tanto a razão, quanto as fronteiras de uma cultura. Para Jung, […]
    Leia mais+
    LEIA TODAS AS POSTAGENS