Aconteceu no IBCP: II Simpósio de Psicoembriologia

por

O II Simpósio de Psicoembriologia foi realizado na sede do Instituto Brasileiro de Ciências e Psicanálise (IBCP), nos dias 31 de março e 1º de abril, apresentando o tema: “O Pai no Divã – a função paterna em jogo”. O evento reuniu psicanalistas, psicoembriólogos e educadores, que expuseram de maneira didática o assunto em questão ao longo desses dois dias.

Durante a abertura, realizada pela profª Therezinha Thomazin, foi apresentada a história de Wilson Ribeiro e a criação da psicoembriologia, técnica desenvolvida e difundida na década de 1960, que consiste na formação saudável do ser humano desde a vida fetal. A importância da fala com o bebê, desde a fase embrionária, é um trabalho de conscientização realizado exemplarmente pela equipe do IBCP.

As palestras que se seguiram no primeiro dia: “Mãe sendo mãe liberando para a vida!”, em que a profª Glaucia Araújo apontou a importância da mãe na emancipação dos filhos; “O lugar dos pais no psiquismo fetal”, proferida pela profª Sônia Paschoalique, abordou a importância das células no desenvolvimento fetal e da relevância da ancestralidade no nosso psiquismo. Durante a tarde foram levantados os temas: “A presença do pai é importante na gestação”, sobre a ação essencial do masculino na fecundação e na formação integral do indivíduo, pelas palestrantes Tânania Oliveira e Lydia Indacochea; “A verdade na comunicação com a criança e o tabu da morte”, apresentada pelos conferencistas João Gonçalves e Inês Mattos, abordando a honestidade na linguagem com a criança, ponto fundamental na autoconfiança e visão de realidade na vida. Encerrando o primeiro dia, as palestrantes Patrícia Alcantara, Dulcinéia Mendes e Cláudia Garcia apresentaram “Pai, ética e coragem fortalecendo a educação”, trazendo o papel crucial da função paterna na constituição dos valores do indivíduo.

A educadora e contadora de história, Cristiane Velasco, abriu o segundo dia de evento com a história “O verdadeiro pai da casa”, de Dan Yashinsky, em que um viajante buscava abrigo em um castelo e lá se deparou com uma misteriosa sequência de anfitriões, e para consegui-lo precisava da permissão do mais velho daquela aldeia para se hospedar. Uma analogia perfeita com o tema do simpósio. A manhã seguiu com a palestra da profª Elisabete Ruivo: “Pai, meu herói, meu bandido”, em que elucidou os arquétipos masculinos e os relacionou com os pais. A palestra seguinte foi ministrada pela profª Fátima Esteves sobre “O casal se separa. E o pai, como fica?”. No período da tarde tivemos um bate papo com o tema “Na prática, a linguagem”, realizado pelo prof. José Pastore, que deu uma aula demonstrativa dos métodos utilizados pela psicoembriologia com os bebês e gestantes. Na palestra “A importância do pai na formação da identidade”, conferida pelo prof. Wilson Buran, foi abordada a importância da presença do pai para criar uma barreira de limite na criança e adolescente, para que esse possa escolher caminhos saudáveis e coerentes com a vida. Finalizando o encontro, o prof. Anderson Barros apanhou todos as temáticas e as confrontou durante sua palestra “O pai no divã. A função paterna em jogo”, em que trouxe a reflexão de como a função paterna e o papel do pai na nossa atual sociedade está se perdendo, deixando lacunas e vazio na nova geração.

Natália Simão
Psicoembrióloga

O QUE ACHOU DA POSTAGEM?

    últimas postagens

    A base de tudo

    por Equipe IBCP Psicanálise
    Há muitos séculos, estudiosos já mencionavam em seus escritos, a existência de uma considerável movimentação do bebê dentro do ventre materno e uma possível ligação emocional entre ambos, mãe e filho. Essas observações, a princípio intrigantes e objeto de interesse por muitos pesquisadores nos tempos seguintes, teve sua comprovação somente por volta do século XIX […]
    Leia mais+

    A Fadiga do Retorno

    por Roseana Coelho / Psicanalista
    A recente retomada das atividades presenciais tem causado vários efeitos psíquicos, dentre eles ansiedade e especialmente cansaço. Em 2020 foi preciso uma adaptação rápida, sem preparo, para uma situação não vivenciada antes, de enclausuramento, distância da vida do modo que era conhecida e um estado de alerta constante. Agora, dois anos depois, é preciso retomar, […]
    Leia mais+
    LEIA TODAS AS POSTAGENS