Adolescência: um desafio de vida

por

por Dolores Araujo | Psicanálise e Psicoembrióloga

Adolescer: fase da vida em que o indivíduo deixa de ser criança e vai se transformando em adulto. Um processo que em algumas sociedades se dá por meio de ritos de passagens ao demarcam o momento em que o jovem está apto a se inserir no universo dos mais velhos com todas as responsabilidades exigidas para o novo status.

O site www.infoamazonia.org descreve o rito de passagem ao qual são submetidos os adolescentes meninos da tribo Sateré Mawé, no Amazonas, que para serem aceitos no mundo dos adultos,  devem calçar luvas recheadas com dezenas de tocandiras – uma das maiores formigas do mundo cuja  a dor da picada é comparável a um tiro de revolver –  e dançar por vinte minutos sem gritar, sem chorar e sem reclamar.

Esse ritual deverá ser repetido, ao menos, vinte vezes durante a vida. Ao completar todo o processo, o jovem poderá começar sua iniciação para ser um “tuxaua” cujo significado é: aquele manda, o que o capacita para ser um líder Sateré.

Já as meninas da tribo após menstruar pela primeira vez, também são submetidas ao rito que implica em total isolamento durante dois meses, tendo contato apenas com a suas mães. Ao final do ritual, quando deixaram de ser meninas, estão aptas para casar e ter filhos.

Em nossa sociedade a adolescência tem início perto dos onze anos, ocorre de forma lenta podendo durar mais de uma década.  O fato é que em boa parte desta fase, o jovem, em geral, vive uma situação de absoluta dependência material e financeira de seus pais, e estes, por sua vez, tendem a também ficar dependentes de seus filhos, evitando vivenciar a ausência deles.

Junto com as visíveis mudanças físicas ocorrem as transformações psíquicas que se desdobram gerando inquietações e conflitos. O adolescente se vê diante de descobertas incríveis e experimenta, quase que instantaneamente, um turbilhão de intensas sensações e sentimentos.

Essa fase para alguns é mais tranquila, enquanto que para outros um pouco mais conturbada, gerando conflitos internos, rebeldia, contestações, ações e sentimentos que muitas vezes contradizem  ao que realmente sente, isto é, quando demonstra a raiva e o ódio que sente dos pais, está verdadeiramente, tentando ocultar o grande amor, admiração e a inveja que a sua criança interior nutre por eles.  Nessa fase os ídolos são eleitos, baseado em valores que, em geral, confrontam os valores recebidos no ambiente familiar.

  Um período de transição e mudanças, que pode ser associado ao período da gestação e à infância, quando o olhar e a palavra, especialmente dos pais, são fundamentais para que o jovem se sinta acolhido e fortalecido para prosseguir na sua jornada.

Este jovem, quase adulto, vai abandonando seu corpo infantil e percebendo que a sua relação com a família também vai se modificando. Um processo necessário para que, de fato, o adulto se constitua.

 Nascer, crescer e amadurecer implicam em desafios e conquistas que, para serem alcançados, exigem a força e a energia que pulsam internamente, uma força que jamais se perderá dentro de cada um, e será ela que impulsionará o indivíduo rumo às suas realizações na vida adulta.

Nesta travessia, de uma fase para outra, a Psicanálise se coloca como ferramenta importante para pais e filhos, no sentido de auxiliá-los a descortinar e trabalhar conteúdos que estão inconscientes e ativos.

Aos pais que se dispõem ao tratamento psicanalítico, é colocada a possibilidade de olhar e trabalhar sua criança e seu adolescente interior, que se apresentam com seus registros e crenças. Experiências vivenciadas no passado poderão ser trabalhadas e ressignificadas. O tratamento psicanalítico dos pais é um caminho importante a ser trilhado visando o autoconhecimento, mas é também um ato de amor, na medida em que, consequentemente, abre possibilidades para entender e contribuir no processo pelo qual passa o filho adolescente.

Quanto ao jovem, o psicanalista atuará como o facilitador que ouve e cria condições para que  esses turbilhões de sensações e sentimentos, assim como as transformações físicas e biológicas, sejam expressas e acolhidas, desta forma o adolescente vai gestando a si próprio, resguardando a sua criança e permitindo que o ser maduro germine e se constitua pleno e saudável física e psiquicamente.

O QUE ACHOU DA POSTAGEM?

    últimas postagens

    A base de tudo

    por Equipe IBCP Psicanálise
    Há muitos séculos, estudiosos já mencionavam em seus escritos, a existência de uma considerável movimentação do bebê dentro do ventre materno e uma possível ligação emocional entre ambos, mãe e filho. Essas observações, a princípio intrigantes e objeto de interesse por muitos pesquisadores nos tempos seguintes, teve sua comprovação somente por volta do século XIX […]
    Leia mais+

    A Fadiga do Retorno

    por Roseana Coelho / Psicanalista
    A recente retomada das atividades presenciais tem causado vários efeitos psíquicos, dentre eles ansiedade e especialmente cansaço. Em 2020 foi preciso uma adaptação rápida, sem preparo, para uma situação não vivenciada antes, de enclausuramento, distância da vida do modo que era conhecida e um estado de alerta constante. Agora, dois anos depois, é preciso retomar, […]
    Leia mais+
    LEIA TODAS AS POSTAGENS