À beira do divã

por

Por Elizabete Ruivo – Psicanalista Didata

Os pacientes chegam, cada um no seu horário, trazendo desde o silêncio inquietante de um deserto até o alvoroço intermitente de falas conexas ou não, às vezes intercaladas com copiosas lágrimas, outras como fios de água descendo vagarosas em meio a respirações profundas, tensas, sofridas ou risos jocosos, irônicos. Projetam sobre a tela em branco suas dores, seus amores, buscando em si mesmos novos significados para colorir genuína e inteiramente suas histórias de vida, seus mitos.

O silêncio trazido, pede a quietude interna do analista, como um acolhimento, uma sensação sem palavras:

– Aceite-me!

A fala intermitente, o desespero revelado surgido durante a análise referente a algo conscientizado, traz lembranças ao analista que, de alma para alma respirando fundo, pensa:

– Como eu entendo você!

As lágrimas oriundas da tristeza por fatos mal compreendidos, indecifráveis, mas sentidos escorrem através do olhar decepcionado ou indignado, suplicante ou revoltado, porém pedindo:

– Preciso de que me ouça… e me veja, estou aqui!

Os risos maliciosos, jocosos, irônicos, não deixam atrás de si dúvidas, que se reveladas são sua própria impotência:

– Eu rio para não chorar!

A cada paciente atendido, a tela se altera e outra história se revela, mas, os buscadores, os protagonistas de seus mitos, são heróis em sua jornada, reconhecendo os caminhos já vividos, resignificando cada pedra encontrada mostrando ao ego:

– Olhe, eu posso retirá-la e nem é tão pesada assim. Agora eu sei, agora eu sinto que a vida é de minha inteira responsabilidade, sou o sujeito de minhas escolhas!

Psicanalistas e pacientes caminham paralelamente, ele, o profissional, à beira do divã, lapidando resíduos de suas vivências analíticas e seus clientes deitados neste divã, aceitando e querendo refazer o caminho de volta para si mesmo, ambos sob a proteção de Quiron, o Deus Ferido, guia dos terapeutas.

O QUE ACHOU DA POSTAGEM?

    últimas postagens

    A base de tudo

    por Equipe IBCP Psicanálise
    Há muitos séculos, estudiosos já mencionavam em seus escritos, a existência de uma considerável movimentação do bebê dentro do ventre materno e uma possível ligação emocional entre ambos, mãe e filho. Essas observações, a princípio intrigantes e objeto de interesse por muitos pesquisadores nos tempos seguintes, teve sua comprovação somente por volta do século XIX […]
    Leia mais+

    A Fadiga do Retorno

    por Roseana Coelho / Psicanalista
    A recente retomada das atividades presenciais tem causado vários efeitos psíquicos, dentre eles ansiedade e especialmente cansaço. Em 2020 foi preciso uma adaptação rápida, sem preparo, para uma situação não vivenciada antes, de enclausuramento, distância da vida do modo que era conhecida e um estado de alerta constante. Agora, dois anos depois, é preciso retomar, […]
    Leia mais+
    LEIA TODAS AS POSTAGENS