Dente de leão

por

por Eliana Viana | Psicanalista

Existem diversas histórias sobre a planta da família Taraxacum oficinalle, conhecida como “dente-de-leão”.

Desde a antiguidade é apreciada como  erva medicinal, alimento exótico, e não pára por aí, segue como  símbolos na imaginação dos adultos e ganha formas diversas nas  brincadeiras das crianças.

Na Itália é conhecida como soffione que significa Flor que se assopra. Na França como dandellion, no Brasil como, “Chicória selvagem”, “Dente de leão”,  “Esperança” entre outros… Mas afinal o que tem a ver essa planta com o que se vai tratar aqui?

Imagine uma dente de leão na mão de uma pessoa, e que cada pluma existente nesta planta, cada guarda-chuvinha,  trata-se de seus  “pensamentos, ideias, vontades,  desejos, sonhos”. E, por alguma razão, essa pessoa,  na figura desta planta (dente de leão), fosse acometida por uma repentina ventania?

Pronto!  Os pensamentos, as vontades, os desejos, os sonhos representados por estas plumas  escapariam pelas próprias mãos desta pessoa.

Nesse sentido, estamos todos sujeitos a algum momento, de repente,  sermos alcançados por surpresas indesejáveis, como  um simples sopro ou os ventos contrários, fazendo-nos, muitas vezes esquecermos de nossos sonhos e da vontade de  seguir adiante, esta que se esvai como as “plumas” desta flor, ganhando distância mesmo que se lute velozmente para capturá-las neste sonho.

E o “desejo pulsante”, que continua dentro de cada um, se torna cada vez mais oprimido, desencadeando na “alma” enfermidades refletidas no ser como um todo. Isso ocorre porque mesmo o sujeito acreditando que tem força para seguir em frente, não consegue enxergar além da dor que está vivendo. Essa dor impressa na alma se expressa no corpo sendo a maneira que se encontrou para chamar a atenção

Não se quer aqui diminuir a dor alheia muito pelo contrário, “olhar para a dor, tratá-la com respeito”, é o chamado! Pois, é nela mesma que encontra-se a energia vital que alimenta toda sorte de angústia, medo, raiva, etc.

Portanto, somos resultado de desejo em estado profundamente pulsante, logo, somos seres desejantes em contínua ação. Permita-se o “processo de autoconhecimento” e conduza as plumas de outrora para uma “consciência” capaz de transformá-las em escolhas que te possibilite a reconhecer a “vida” que ainda existe e pulsa dentro de você.

O QUE ACHOU DA POSTAGEM?

    últimas postagens

    A base de tudo

    por Equipe IBCP Psicanálise
    Há muitos séculos, estudiosos já mencionavam em seus escritos, a existência de uma considerável movimentação do bebê dentro do ventre materno e uma possível ligação emocional entre ambos, mãe e filho. Essas observações, a princípio intrigantes e objeto de interesse por muitos pesquisadores nos tempos seguintes, teve sua comprovação somente por volta do século XIX […]
    Leia mais+

    A Fadiga do Retorno

    por Roseana Coelho / Psicanalista
    A recente retomada das atividades presenciais tem causado vários efeitos psíquicos, dentre eles ansiedade e especialmente cansaço. Em 2020 foi preciso uma adaptação rápida, sem preparo, para uma situação não vivenciada antes, de enclausuramento, distância da vida do modo que era conhecida e um estado de alerta constante. Agora, dois anos depois, é preciso retomar, […]
    Leia mais+
    LEIA TODAS AS POSTAGENS