Dores da Alma

por Stella Santos | Psicanalista e Psicoembrióloga

Quanto você adia a sua felicidade?

Seja ela real ou imaginária quem tem, ou já teve, sabe o quanto dói. E muitas vezes, a própria pessoa não tem noção de onde ela veio e como surgiu.
Só sabe que dói muito e que tem algo errado consigo mesma.

Ela busca especialistas na área, faz vários exames, toma vários medicamentos e essa dor continua.

A vida simplesmente para em algumas áreas, ou vira um círculo vicioso, como um hamster, que fica rodando na roda por horas a fio.

Este movimento toma conta do dia a dia e sem perceber, ele está norteando a vida, e consumindo um gasto gigantesco de energia para manter este processo, que parece não ter fim aos olhos de quem está vivendo.

Quem está de fora consegue até perceber que algo está errado, mas não tem ideia de como ajudar.

Mas o que fazer então?

A psicanálise pode ser uma ferramenta de grande valia para trabalhar essa dor.
Podem surgir alguns obstáculos pelo caminho, mas vale a pena tentar superá-los.

Você poderá fazer descobertas incríveis sobre si mesmo e até mesmo sair dessa roda imaginária, pois essa dor poderá ser minimizada durante o processo.

A vida é como um rio de água limpa e transparente, e esta água nunca volta ela está sempre se renovando.

O QUE ACHOU DA POSTAGEM?

    últimas postagens

    A base de tudo

    por Equipe IBCP Psicanálise
    Há muitos séculos, estudiosos já mencionavam em seus escritos, a existência de uma considerável movimentação do bebê dentro do ventre materno e uma possível ligação emocional entre ambos, mãe e filho. Essas observações, a princípio intrigantes e objeto de interesse por muitos pesquisadores nos tempos seguintes, teve sua comprovação somente por volta do século XIX […]
    Leia mais+

    A Fadiga do Retorno

    por Roseana Coelho / Psicanalista
    A recente retomada das atividades presenciais tem causado vários efeitos psíquicos, dentre eles ansiedade e especialmente cansaço. Em 2020 foi preciso uma adaptação rápida, sem preparo, para uma situação não vivenciada antes, de enclausuramento, distância da vida do modo que era conhecida e um estado de alerta constante. Agora, dois anos depois, é preciso retomar, […]
    Leia mais+
    LEIA TODAS AS POSTAGENS