O Esconderijo da Raiva

por Roseana Coelho | Psicanalista

Ouve-se, desde criança, que sentir raiva é feio, é pecado, não pode.

É um sentimento que não é permitido, que fica tão escondido, que só aparece quando é empurrado e pula pra fora. E ele pula, seja em forma de elaboração, de ação ou de doença.

O que gera esse sentimento de raiva? Os motivos são muitos: medo, insegurança, dor, vulnerabilidade. Algumas situações que causam dores emocionais, são motivos para uma ação agressiva contra o agente causador, ou contra si mesmo, em uma tentativa de não sentir.

Usa-se a raiva como um cobertor para manter essas emoções distantes dos olhos. Muitas vezes tão distantes de si mesmo, que nem é consciente o motivo de estar manifestando tal sentimento através de um comportamento agressivo.

Uma criança que fez algo que entende que vai resultar em uma punição, pode usar a raiva como defesa contra o medo de ser punido ou implicar outro culpado.

Essa projeção do erro ou dores em outra pessoa é uma defesa, é uma forma de tentar não sentir a culpa. Ao agir com raiva e despejar aquele sentimento em alguém, aquela dor é “transferida” para o outro e não precisa ser mais carregada.

O alívio causado por aquela descarga momentânea, pode ser um cavalo de Troia, trazendo em si culpa e arrependimento.

Para lidar com esses sentimentos é preciso ter recursos internos, o ego precisa estar fortalecido, para que tenha força para olhar para o que está causando a raiva.

Negar ou esconder esse sentimento, não é lidar com ele, mas é fazer com que ele se expresse de outra forma, seja na forma de uma explosão, de uma tristeza, ou seja através do corpo, de uma doença.

A raiva esconde ressentimentos e frustrações. Seu esconderijo são doenças no fígado e vesícula biliar.

É expressada também através da pressão alta, tonturas, dores de cabeça sem diagnósticos da medicina. Assim como os outros sentimentos, tem habilidade de impulsionar, gerar energia, seja de forma construtiva ou destrutiva.

Os sentimentos bem elaborados e usados de forma construtiva, são grandes rodas impulsionadoras, que geram movimento no moinho da vida.

O QUE ACHOU DA POSTAGEM?

    últimas postagens

    A base de tudo

    por Equipe IBCP Psicanálise
    Há muitos séculos, estudiosos já mencionavam em seus escritos, a existência de uma considerável movimentação do bebê dentro do ventre materno e uma possível ligação emocional entre ambos, mãe e filho. Essas observações, a princípio intrigantes e objeto de interesse por muitos pesquisadores nos tempos seguintes, teve sua comprovação somente por volta do século XIX […]
    Leia mais+

    A Fadiga do Retorno

    por Roseana Coelho / Psicanalista
    A recente retomada das atividades presenciais tem causado vários efeitos psíquicos, dentre eles ansiedade e especialmente cansaço. Em 2020 foi preciso uma adaptação rápida, sem preparo, para uma situação não vivenciada antes, de enclausuramento, distância da vida do modo que era conhecida e um estado de alerta constante. Agora, dois anos depois, é preciso retomar, […]
    Leia mais+
    LEIA TODAS AS POSTAGENS