Histeria

por

por Jucimara Miotto | Psicanálise

O nome histeria vem do grego “hystera” que significa útero.  Os antigos atribuíam a histeria unicamente às mulheres, aquelas portadoras de transtornos psicológicos, pois acreditavam que elas estariam sendo assediadas por maus espíritos, por isso eram presas e banidas da comunidade e, muitas vezes, submetidas aos rituais de exorcismo com torturas.

Posteriormente, Freud, em seus estudos, entendeu a Histeria como uma sexualidade reprimida, muitas vezes oriunda na infância. A manifestação histérica pode causar prejuízos físicos, psíquicos e sociais para o indivíduo. Na histeria a instabilidade emocional leva   ao pânico causado por medos que muitas vezes não se sabe de onde vem ou o que realmente são, gerando no corpo sintomas como câimbras, paralisias, dor de cabeça, desmaio, amnésia entre outros.   Em alguns casos, o seu sintoma tem consequências contrárias como dar um ar de superioridade para o sujeito histérico.  Nos dias de hoje a histeria não se resume somente as mulheres, mas também aos homens, podendo ser entendida como uma consequência da vida moderna.

Não existe um único critério que pode ser indicado como um causador da histeria, mas sim várias situações: o dia a dia agitado, o trabalho, relacionamentos, filhos e o mais comentado nos dias de hoje o Corona Vírus e a necessidade do isolamento, gerando, inclusive o home office. As pessoas passaram a conviver consigo mesmas, voltaram-se para seus lares, seus trabalhos foram para dentro de casa e lá já estava a família.   Fez-se o silêncio externo e começou o barulho interno. E agora?

É necessário olhar para si, sentir a história de seus antepassados, que passaram por pandemias, guerras e várias privações, mas você está aí, seus filhos estão aí, sua história está sendo contada por você. E a psicanálise permite esse olhar para si, o dono história, ou seja, vista pelo ator principal, você mesmo.

O QUE ACHOU DA POSTAGEM?

    últimas postagens

    A base de tudo

    por Equipe IBCP Psicanálise
    Há muitos séculos, estudiosos já mencionavam em seus escritos, a existência de uma considerável movimentação do bebê dentro do ventre materno e uma possível ligação emocional entre ambos, mãe e filho. Essas observações, a princípio intrigantes e objeto de interesse por muitos pesquisadores nos tempos seguintes, teve sua comprovação somente por volta do século XIX […]
    Leia mais+

    A Fadiga do Retorno

    por Roseana Coelho / Psicanalista
    A recente retomada das atividades presenciais tem causado vários efeitos psíquicos, dentre eles ansiedade e especialmente cansaço. Em 2020 foi preciso uma adaptação rápida, sem preparo, para uma situação não vivenciada antes, de enclausuramento, distância da vida do modo que era conhecida e um estado de alerta constante. Agora, dois anos depois, é preciso retomar, […]
    Leia mais+
    LEIA TODAS AS POSTAGENS