O “ouvir” e o “escutar” na comunicação

por

Por Iara Solange | Psicanalista

A palavra comunicação deriva do termo latino communicare que significa partilhar, participar algo, tomar comum. Em uma busca simples na internet, o primeiro verbete que aparece num dicionário online é: ação de transmitir uma mensagem e, eventualmente, receber outra mensagem como resposta. O ato de comunicar é uma atividade essencial para a vida humana em sociedade. Essa comunicação acontece das mais diversas formas. Neste texto, o olhar está voltado para a conversação. Como ela acontece no dia a dia?

Ao observar atentamente duas pessoas conversando, mesmo que pareçam envolvidas e animadas na conversa, é possível perceber que está acontecendo ali algo muito mais parecido com dois monólogos. Cada um dos interlocutores está falando muito, porém escutando bem pouco. Não existe um interesse real no que o outro diz.

Basta um pouco de atenção às próprias conversas para perceber que isso ocorre com muito mais frequência do que se imagina.

Um exemplo bem comum é quando um amigo começa a relatar como foi o final de semana dele e a viagem que fez com a família. O outro, que ouve a fala do amigo, vai começar a contar como foi o seu próprio final de semana e a conversa vai seguir assim, cada qual falando de si mesmo, numa falsa ideia de diálogo. Estes equívocos na comunicação acontecem a todo momento, em todas as áreas da vida e acabam gerando muitas frustrações, angustias e ansiedades: isto é ouvir.

Escutar o outro criando uma interação entre as partes, dar atenção ao que está sendo dito, se expressar de forma clara, verbalizando tudo que precisa ser dito, sem deixar partes nas entrelinhas, pode trazer muitos benefícios ao convívio de modo geral, fazendo a vida fluir de maneira clara e verdadeira.

Através do processo analítico, quando o sujeito passa a se conhecer melhor e a escutar primeiramente a si mesmo, ele deixa de ter a necessidade de falar de si a todo o momento e passa a escutar, e não apenas a ouvir, o que o outro tem a dizer. Aí, sim, teremos uma comunicação verdadeira.

O QUE ACHOU DA POSTAGEM?

    últimas postagens

    A base de tudo

    por Equipe IBCP Psicanálise
    Há muitos séculos, estudiosos já mencionavam em seus escritos, a existência de uma considerável movimentação do bebê dentro do ventre materno e uma possível ligação emocional entre ambos, mãe e filho. Essas observações, a princípio intrigantes e objeto de interesse por muitos pesquisadores nos tempos seguintes, teve sua comprovação somente por volta do século XIX […]
    Leia mais+

    A Fadiga do Retorno

    por Roseana Coelho / Psicanalista
    A recente retomada das atividades presenciais tem causado vários efeitos psíquicos, dentre eles ansiedade e especialmente cansaço. Em 2020 foi preciso uma adaptação rápida, sem preparo, para uma situação não vivenciada antes, de enclausuramento, distância da vida do modo que era conhecida e um estado de alerta constante. Agora, dois anos depois, é preciso retomar, […]
    Leia mais+
    LEIA TODAS AS POSTAGENS