Quando falamos pelos olhos

por

por Adriana Gallo | Psicanalista

A recente pandemia causada pelo novo Coronavírus (SARS-COV-2), que causa a COVID-19, obrigou-nos a aderir a práticas cotidianas determinadas pelos órgãos de saúde mundiais. Passamos a ter mais cuidado com a higiene, posteriormente, aderir ao confinamento social e, outra determinação, a utilização de máscaras, visando proteger a todos de um possível contágio.

Andamos nas ruas com o rosto coberto sendo que a única parte visível nesta situação, são os nossos olhos, estes que desde o início, sempre foram uma conexão fundamental, como por exemplo na relação da mãe com o seu bebê. Pelos olhos, também, saem as mágoas, as nossas “más águas”, na forma de lágrimas que quando esvaziadas e drenadas, aliviam pressões e dores.

Assim, como seria uma sessão psicanalítica “protegida” por máscaras? Os olhos não articulam palavras, mas eles expressam o ser, no mais profundo silêncio e a máscara, dificulta as outras percepções em relação ao rosto e as expressões dos pacientes.

Na clínica Psicanalítica, utilizamos a palavra, a leitura dos gestos e a postura corporal, para “escutar” o paciente, até mesmo através da observação do silêncio que ele nos traz.

Neste novo cenário, nossa compreensão acerca da escuta analítica ganha espaço para se expandir e o olhar passa a ser de fundamental importância para ambos: paciente e psicanalista

Será verdade que os olhos não mentem? Quantas vezes olhamos e não enxergamos?

Hoje, mais do que nunca, faz parte do papel do analista poder mostrar ao paciente, eventuais cegueiras na sua visão sobre seus problemas e os seus potenciais a serem descobertos.

O QUE ACHOU DA POSTAGEM?

    últimas postagens

    A base de tudo

    por Equipe IBCP Psicanálise
    Há muitos séculos, estudiosos já mencionavam em seus escritos, a existência de uma considerável movimentação do bebê dentro do ventre materno e uma possível ligação emocional entre ambos, mãe e filho. Essas observações, a princípio intrigantes e objeto de interesse por muitos pesquisadores nos tempos seguintes, teve sua comprovação somente por volta do século XIX […]
    Leia mais+

    A Fadiga do Retorno

    por Roseana Coelho / Psicanalista
    A recente retomada das atividades presenciais tem causado vários efeitos psíquicos, dentre eles ansiedade e especialmente cansaço. Em 2020 foi preciso uma adaptação rápida, sem preparo, para uma situação não vivenciada antes, de enclausuramento, distância da vida do modo que era conhecida e um estado de alerta constante. Agora, dois anos depois, é preciso retomar, […]
    Leia mais+
    LEIA TODAS AS POSTAGENS